22 dezembro 2008

Festas Felizes


Desejo a todos os leitores de "Anijovem" um Feliz Natal e um Ano Novo espectacular... Da minha parte conto voltar em Janeiro de 2009 para prosseguir esta partilha de reflexões e de informações sobre Animação Sociocultural e Juventude.

12 dezembro 2008

We-think: O Poder da Criatividade de Massas

Na sequência de um vídeo que aqui divulguei na semana passada sobre a novas conceptualizações do conceito de cultura deixo-vos hoje um outro denominado "We Think". Ele sintetiza as ideias de um livro com o mesmo nome da autoria um especialista inglês, Charles Leadbeater, que em síntese e de acordo com o autor pretende contribuir para "podermos tirar o máximo de proveito do potencial da Internet para espalhar democracia, promover liberdade, amenizar desigualdades e nos permitir de sermos criativos, em massa".

A tradução livre do vídeo é apresentada mais abaixo.



O público está a tomar conta do palco.
Graças à Internet milhões de pessoas podem ter uma palavra a dizer.
A informação está em toda parte: blogues, vídeos, websites, wikis.
E isto é bastante confuso.
Todo o mundo está a falar ao mesmo tempo.
As ideias ganham vida quando são partilhadas.
A Internet torna-se realmente interessante quando as pessoas disponibilizam as suas ideias. É então as pessoas se tornam realmente criativas.
Porque novas ideias surgem geralmente através da conversação, do diálogo. E a Internet é um diálogo de massas. E isto está a criar uma inovação de massas.
O século XX caracterizou-se pela produção em massa para consumo de massas: fábricas, carros, televisores e frigoríficos.
O século XXI caracteriza-se pela inovação em massa: mais ideias estão a ser partilhadas por mais pessoas do que nunca.
Os primeiros sinais de que isto é possível fazer são a Wikipedia e o Linux, o Slashdot e o “Oh my News”, o “Second Life” e o “World of Warcraft”.
Milhões de pessoas estão a criar jogos, mundos, conhecimento, informação, software...
As corporações tradicionais, organizadas na forma de pirâmides, denotam grande dificuldade em lidar com estas transformações.
A inovação de massas surge de comunidades. Estas erguem-se como um ninho de pássaro onde cada um deixa a sua peça.
E porque são as pessoas atraídas para essas comunidades? Não para ficarem ricas.
Mas antes para conviver e o obter o reconhecimento pelo trabalho que fazem.
O lema da geração que cresceu com a Internet é: Pensamos e, por isso, existimos.
E isto é bom. Para a Democracia, porque mais pessoas podem expressar as suas ideias; a para a Igualdade porque o conhecimento é disponibilizado para todos e, especialmente, para aqueles que não podem pagar para o obterem; para a Liberdade porque mais pessoas podem expressar livremente a sua criatividade.
Isto soa como uma utopia e há, ainda, muito trabalho pela frente.
Como iremos proteger o que é privado? Estamos sempre seguros quando partilhamos? E se a wikipedia não passar de lixo? Como podemos saber se todas as pessoas estão a partilhar livremente as suas ideias?
No passado, as pessoas eram aquilo que possuíam. Hoje são aquilo que partilham.
O que acha de tudo isto? Deixe um comentário abaixo ...

11 dezembro 2008

Divulgado estudo sobre a juventude espanhola

O InJuve, o Instituto da Juventude de Espanha, acaba de divulgar um documento denominado "Informe Juventud en España 2008" que constitui um retrato exaustivo da realidade juvenil no país vizinho.


O estudo agora divulgado, que está disponível on-line neste endereço, resulta de um inquérito aplicado a uma amostra constituída por 5.000 jovens e de informação estatística complementar e contempla diversas áreas temáticas: evolução demográfica; desigualdades de género; população imigrante; trabalho, economia e consumo; saúde juvenil; valores e crenças; participação política; e tempo livre.

De acordo com o InJuve este estudo pretende facilitar diagnósticos e orientar actuações em função das mudanças que se vão produzindo nos interesses e nas necessidades manifestadas pela própria juventude.

É consensual considerar que um adequado desenho de políticas, de programas e actividades para a juventude tem necessariamente de se suportar numa análise da realidade juvenil e é neste âmbito que importa salientar este estudo e recordar a escassa informação disponível sobre a realidade da juventude portuguesa.

09 dezembro 2008

60º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos


A 10 de Dezembro de 2008 assinala-se o 60º aniversário da aprovação da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas.

Há sessenta anos a Assembleia Geral da ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos como um baluarte contra a opressão e a discriminação. Na sequência de uma guerra devastadora, que testemunhou alguns dos crimes mais bárbaros da história da humanidade, a redacção da Declaração marcou a primeira vez em que os direitos e liberdades de todas as pessoas foram descritos em detalhe. E também representou o primeiro reconhecimento internacional que os direitos humanos e as liberdades fundamentais são aplicáveis a cada ser humano, em cada canto do planeta.

O tema da campanha do 60º aniversário, Dignidade e Justiça para Todos, serve para recordar que, apesar de muitos avanços terem sido alcançados, ainda há um longo caminho para percorrer no sentido de garantir o pleno respeito pelos Direitos Humanos.

A Educação para os Direitos Humanos têm, desde há décadas, constituído um dos âmbitos de intervenção da denominada educação não-formal, onde a animação sócio-cultural também se insere. O esforço prosseguido neta área por centenas de ONG tem assumido um papel fundamental quer na denúncia de violações dos Direitos Humanos, quer na realização de acções que promovam aprendizagem sobre e para os Direitos Humanos.

Para mais informações sobre o 60 aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos recomendamos as seguintes ligações:

28 novembro 2008

O QUE É A CULTURA?

"A cultura de inovação deve ser a inovação da cultura . A cultura não pode ser um luxo. É um elemento essencial para todos. Uma cultura em uma rede, sem centro nem periferia."

Partilho convosco um excelente vídeo que ilustra uma definição de cultura com a qual, enquanto animador sociocultural, me identifico... Desfrutem....

27 novembro 2008

VI COLÓQUIO "CAMINHOS DA ANIMAÇÃO"

Os alunos do 3º ano do Curso de Animação Sociocultural da Escola Superior de Educação de Beja vão realizar a sexta edição do colóquio "Caminhos da Animação" e as terceiras Jornadas de Animação Sociocultural.

Como nos anos anteriores estas iniciativas pretendem ser um espaço de reflexão e intercâmbio de experiências nos diferentes âmbitos de intervenção da Animação.

As III Jornadas de Animação decorrem entre Novembro de 2008 e Fevereiro de 2009. Por seu lado, o VI Colóquio "Caminhos de Animação" realiza-se nos dias 4 e 5 de Fevereiro de 2009 no Auditório do Instituto Politécnico de Beja.

À medida que formos recebendo informações sobre estes eventos procederemos à sua divulgação neste espaço.

24 novembro 2008

Revista Práticas de Animação

A Delegação Regional da Madeira da APDASC - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sociocultural colocou on-line o segundo número da revista Práticas de Animação.

Este número volta a contar com um conjunto de personalidades - investigadores, docentes e animadores - de Portugal, Espanha e Brasil; uma participação que para nós é sinónimo de afirmação sustentável do projecto e de estímulo para continuar a acreditar que é possível construir alternativas.

Os artigos agora publicados continuam a marcar os temas actuais do debate em Animação Sociocultural e os seus âmbitos. São investigações, experiências e reflexões que merecem e devem ser partilhadas democraticamente com todos aqueles que se interessam pela Animação Sociocultural.

O próximo número estará on-line, em Outubro de 2009.

20 novembro 2008

DÊ SEM DAR MAIS POR ISSO: CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE DO JORNAL PÚBLICO A FAVOR DA APCC

A revista especial Pública de Natal que será lançada no Domingo, dia 30 de Novembro, abraça a causa da Associação para a Promoção Cultural da Criança (APCC) www.apcc.org.pt e dá aos seus anunciantes e leitores a possibilidade de serem solidários e de contribuírem para a formação e educação de dezenas de crianças e jovens.Desta forma, 5% da receita publicitária da Pública de Natal e 0.10€ de cada jornal vendido no dia 30 de Novembro reverterão para a APCC, e todos os anunciantes que participarem nesta iniciativa terão lugar para o seu logótipo num anúncio institucional de agradecimento a publicar nesta edição.

Congratulo-me com esta iniciativa do jornal "Público". Por um lado porque é demonstrativa de uma política de responsabilidade social de uma empresa nem sempre presente no nosso país. Por outro lado, porque mos últimos quinze ano tenho tido o privilégio e o prazer de colaborar com a APCC. Ao longo deste período testemunhei o esforço desta organização em pôr de pé um projecto sócio-educativo para a infância e juventude . Um projecto fortemente alicerçado em princípios e valores e que se tem traduzido na oferta de propostas de inegável qualidade em domínios da educação não formal. Da ampla acção desenvolvida pela APCC destaco aqui o trabalho pioneiro no nosso país na promoção da formação para animadores de campos de férias em prol da valorização destas actividades enquanto espaços de educação não-formal para crianças e jovens. Um projecto associativo que, ano após ano, se tem consolidado apesar dos múltiplos constrangimentos que a ele se tem colocado.

Mais informações sobre esta iniciativa do jornal Público podem ser consultadas neste endereço.

18 novembro 2008

PEAS 2008 - Projectos e Experiências em Animação Sociocultural

O colega Bruno Moita, no blogue "O Animador Cultural e Desportivo" anuncia a realização de uma iniciativa denominada "PEAS 2008 - Projectos e Experiências em Animação Sociocultural" a realizar no próximo dia 10 de Dezembro no auditório do Instituto Português da Juventude, em Santarém.

Trata-se de uma iniciativa da Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo da APDASC - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sociocultural.

Sobre este Encontro e após analisar o respectivo programa é importante realçar que o mesmo é essencialmente protagonizado por animadores socioculturais que nele vão apresentar os projectos em que estão envolvidos. Tornar visível, perante a sociedade, o trabalho desenvolvido no âmbito da Animação Sociocultural, é uma estratégia que me parece essencial na afirmação desta nossa actividade.

Por isto, e porque o programa anunciado me parece deveras interessante, fica o apelo à participação para todos os que trabalham e estudam na área da animação na área geográfica em que este encontro se realiza. Participação que, ainda por cima, é gratuita!

14 novembro 2008

Youth Action Network

A "Youth Action Network" é uma organização não-governamental sediada em Toronto no Canadá. Proporcionar aos jovens informação e promover a sua participação activa na sociedade são os objectivos fundamentais desta organização que, como muitas outras organizações, fundamenta a sua intervenção na ideia de que a participação juvenil é essencial na construção de comunidades e sociedades mais justas e sustentáveis.

Na página internet desta organização são disponibilizados recursos com interesse para animadores que actuem na área da juventude, nomeadamente um guia denominado "Fire It Up!" que constitui uma interessante proposta metodológica para o desenvolvimento de projectos de animação com jovens.

12 novembro 2008

Oportunidades de estágio para Animadores Socioculturais

A Rota Jovem - Associação juvenil sem fins lucrativos da linha de Cascais - promove estágios profissionais em países da Europa através do Programa Europeu Leonardo da Vinci. Este ano, com o projecto SCAN - Social Cultural Animators in Action, têm disponíveis 33 bolsas para os seguintes países: Inglaterra, Suécia, Alemanha, Espanha e Itália.

O projecto SCAN dirige-se a jovens de nacionalidade portuguesa que estejam à procura de emprego na área da animação sócio cultural ou já diplomados na área ou em áreas afins (serviço social, educador social, ciências sociais) e se encontrem desempregados ou procurem uma formação mais específica na área da animação com crianças, jovens, idosos e minorias sociais (imigrantes, deficientes, sem abrigo, toxicodependentes, desempregados). Estudantes não podem participar.

Os estágios tem a duração de 16 semanas num país europeu. Na maioria dos projectos, as primeiras 4 semanas são dedicadas ao curso de língua, que poderá ser nível inicial ou intermédio, consoante o grupo. As restantes semanas são dedicadas ao estágio em si, que tem a duração de 20 a 35 horas de trabalho semanal.

Antes da partida, o grupo participa numa semana de preparação promovida pela Associação Rota Jovem em Cascais e no regresso são feitas reuniões de avaliação do projecto em que cada estagiário fará uma apresentação final escrita em formato de relatório e participa num seminário de disseminação de resultados.

O projecto suporta as seguintes despesas de cada estagiário: viagem internacional, estadia no estrangeiro durante o período de estágio, curso inicial de língua no país de acolhimento, programa sócio-cultural, tutoria da parte dos organismos de envio e acolhimento, despesas de transportes locais para realização das actividades do programa, como sejam as deslocações, para a frequência do curso de língua do país de acolhimento, para o local de estágio e para a realização das actividades sócio-culturais, sempre que a distância entre o alojamento e os referidos locais o justifique; as refeições - em alguns dos locais de estágio pode haver serviço de refeitório na entidade, na maioria das vezes os jovens serão responsáveis pelas suas próprias refeições e para tal recebem periodicamente um contributo denominado “pocket-money”.

Informações complementares podem ser obtidas neste endereço.

10 novembro 2008

Encontro de Gestores Culturais do Algarve

Tivemos a oportunidade de participar nos passados dias 6 e 7 de Novembro no 1º Encontro de Gestores Culturais do Algarve, subordinado ao tema "Que Desenvolvimento Cultural para o Algarve?", organizado pela AGECAL - Associação dos Gestores Culturais do Algarve.

A AGECAL foi constituída em Abril de 2008 e pretende contribuir para a produção e divulgação do conhecimento especializado no domínio da Gestão Cultural. De acordo com os seus promotores, a AGECAL resulta da ausência de uma estrutura que aglutinasse os profissionais da cultura, de forma abrangente e de acordo com as tendências do desenvolvimento cultural actual.

O 1º Encontro de Gestores Culturais do Algarve pretendia, e em nosso entender conseguiu, fomentar uma reflexão partilhada entre os vários intervenientes no processo, nos quais se incluem os diversos profissionais da cultura.

Do programa a que pudemos assistir devemos salientar duas conferências sobre desenvolvimento regional, economia e gestão cultural proferidas pelo reitor da Universidade do Algarve, João Guerreiro e por Jesus Cantero, professor convidado de Economia da Cultura das Universidades de Sevilha, Cádiz e Málaga. O programa integrou, ainda, um conjunto de painéis sobre Redes Culturais e Experiências Regionais e Economia da Cultura.

A reafirmação da importância da Cultura enquanto instrumento essencial no desenvolvimento regional e local e da necessidade de uma mais forte articulação entre instituições e interpretes da promoção e divulgação cultural na região do Algarve foram os aspectos mais marcados pelos diversos oradores deste encontro.

Para os interessados pelas temáticas da Gestão Cultural ficam aqui algumas sugestões para páginas da internet:
Adicionar vídeo

05 novembro 2008

Animação Sociocultural com Públicos “Especiais” (4)

Este é o último de um conjunto de artigos escritos com a intenção de partilhar algumas reflexões pessoais sobre o trabalho desenvolvido por animadores socioculturais com públicos constituídos por indivíduos que apresentam limitações ou características específicas (idade, deficiências, entre outras).


Uma das convicções que procurei expressar nos artigos anteriores é a de que de um ponto de vista metodológico o exercício das funções de animação sociocultural não varia significativamente em função das características dos públicos com quem se trabalha. Quando escrevemos “metodologia” estamos a referir-nos ao modo de actuar, à forma de fazer as coisas. Com estes, como com outros públicos, importa começar por recolher e analisar informação, designadamente sobre aqueles com queremos trabalhar, que permita estabelecer objectivos e fundamentar as intervenções. È, também, necessário planear e avaliar de um modo adequado. E, principalmente, é indispensável envolver activamente os nossos destinatários em todo o processo, ao longo de toda a intervenção.

Outra das minhas “quase” certezas está relacionada com o acreditar que a grande maioria das actividades a que os animadores recorrem no seu trabalho com grupos são facilmente aplicáveis a estes públicos “especiais”. Ainda que aqui e ali tenhamos de fazer adaptações às características específicas dos nossos públicos. Por exemplo, a Expressão Dramática, enquanto instrumento de animação de grupos é uma actividade utilizável no trabalho com grupos de crianças ou jovens portadores de deficiência, de idosos, tal como é uma actividade que frequentemente dinamizamos com outros públicos.

Por último é preciso ter em atenção que o trabalho doa animadores socioculturais com estes públicos “especiais” deve ter uma orientação integradora na medida em que frequentemente tais grupos são alvos de discriminação e de não integração. Trabalhar numa escola com crianças portadoras de deficiências ou num centro de idosos deveria implicar do ponto de vista da animação sociocultural um esforço no sentido de desenvolver acções susceptíveis de promover uma maior integração social destes indivíduos. Actividades que proporcionem a interacção entre estes públicos “especiais” e outros públicos parecem-me uma fórmula capaz de prosseguir tais propósitos.

28 outubro 2008

Apoios financeiros para o desenvolvimento de projectos na área da saúde

Encontra-se aberto, até ao dia 31 de Outubro de 2008, um concurso para a atribuição de apoios financeiros pela Direcção-Geral da Saúde (DGS) a pessoas colectivas privadas sem fins lucrativos. O concurso visa a atribuição de apoios financeiros, por esta Direcção-Geral, a entidades privadas com fins de saúde (incluindo associações juvenis), a qual se destina, exclusivamente, à promoção e desenvolvimento de acções e projectos nos domínios da promoção da saúde, da prevenção e tratamento da doença, da reabilitação, da redução de danos e da reinserção.
Mais informações no Portal da Juventude e na página da Direcção Geral de Saúde.

21 outubro 2008

Animação Sociocultural com Públicos “Especiais” (3)

Há uns anos orientei uma acção de formação para animadores de tempos livres que exerciam a sua actividade numa instituição de solidariedade social de grandes dimensões. Entre os participantes, estava uma jovem animadora que exercia a sua função num berçário... Isto é, os seus utentes tinham idade compreendida entre os 3 e os 12 meses! Que pode fazer uma animador com estes públicos?

Uma das questões que me ocorre quando os animadores trabalham com públicos, que por uma ou outra razão, possuem limitações ao nível físico, psicológico ou emocional, sejam crianças de muito tenra idade, crianças ou jovens problemáticos, portadores de deficiências profundas ou idosos muito dependentes é que os animadores não podem, nem devem, substituir, ou tentar substituir técnicos especializados. Porque um animador não é um educador de infância, um psicólogo, nem tão pouco um terapeuta.

Este facto é tão importante para quem exerce o ofício de animador, como para quem contrata animadores. A relativa imprecisão, o carácter algo difuso, a polivalência sempre associadas ao ofício, às funções e às tarefas exercidas pelo animador podem, com relativa facilidade, levarem aqueles que exercem esta actividade e aqueles que os empregam a enveredar por caminhos que considero inadequados e, porque não dizê-lo, potencialmente perigosos. A afirmação dos animadores, no trabalho com estes públicos, não pode, nem deve ser conseguido pela realização de actividades que exigem conhecimentos especializados que o animador não possui, nem tem que possuir. A sua afirmação passa, como tentarei explicar no derradeiro artigo desta série por exercer, com tais públicos, as funções para as quais está, ou deve estar, habilitado para desempenhar.

17 outubro 2008

CONSULTA PÚBLICA EUROPEIA SOBRE O FUTURO DA POLÍTICA DA JUVENTUDE

A Comissão Europeia está a promover uma consulta pública com o obejectivo de avaliar os resultados da cooperação europeia no domínio da política da juventude, desde 2000, e propor novos objectivos para a próxima década.

Com esta consulta, a Comissão Europeia pretende "descobrir de que forma se deve desenvolver a política da juventude da UE nos próximos anos e que propostas devem ser apresentadas aos países da União Europeia. Se o futuro dos jovens na Europa é um assunto que te interessa e vives num país da UE, na Noruega, na Islândia, no Liechtenstein, na Turquia, na Croácia ou na Antiga República Jugoslava da Macedónia, gostaríamos de conhecer as tuas opiniões, quer a título individual, quer em representação de uma organização a que pertenças".

O inquérito on-line está disponível neste endereço.

15 outubro 2008

ANIMADOR SOCIOCULTURAL | REVISTA IBEROAMERICANA

Está disponível a edição n.º 1 do 3 º. ano da revista oficial da RIA - Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural que pode ser consultada neste endereço.



Nesta edição, que corresponde ao período compreendido entre Outubro de 2008 e Abril de 2009 podem ler-se um conjunto de artigos com significativo interesse para quem trabalha, pretende trabalhar ou se intessa pela Animação Sociocultural.

Pelas afinidades com a temática base deste blogue destacamos o artigo denominado "Realidades e alternativas do tempo livre na adolescência: um estudo sobre a população escolarizada no concelho de esposende na perspectiva da animação sociocultural " da autoria de Sara Margarida de Matos e Cepa. Neste artigo a autora apresenta alguns resultados sobre as realidades e alternativas do tempo livre na adolescência no concelho de Esposende. Subscrevo integralmente a autora quando, no resumo do artigo, firma a convição "de que a Animação Sociocultural apresenta a solução para uma boa política de ocupação dos tempos livres".

14 outubro 2008

Animação Sociocultural com Públicos “Especiais” (2)

Que posso fazer, enquanto animador sociocultural, com as minhas crianças indisciplinadas, os meus idosos apáticos e dependentes?... E com portadores de deficiência com quem vou trabalhar?...

Estas questões surgem frequentemente em fóruns e, também, já me têm sido directamente colocadas por participantes em acções de formação para animadores que tenho vindo a orientar nos últimos anos.

Quase inevitavelmente a primeira resposta que me ocorre é que não sei! Acrescento, de seguida, que não há receitas, fórmulas mágicas, nem tão pouco actividades que possa sugerir com garantias de “sucesso”, de “eficácia”. Com efeito, os públicos são imensamente diversificados e os contextos concretos onde se desenvolvem as acções são, também, muito diferentes uns dos outros para que possamos garantir que uma qualquer fórmula, ainda que tenha resultado numa outra ocasião, é adequada para um situação determinada.

Por trás destas questões esconde-se, também e em minha opinião, uma outra ideia: de que a função, o papel do animador sociocultural é desenvolver actividades com aqueles com quem trabalha. Trata-se de uma forma incorrecta, ou pelo menos muito incompleta e limitante, de encarar o papel e as funções do animador sociocultural. Definitivamente não me revejo, enquanto animador sociocultural, na figura do “entertainer”, de alguém que dinamiza actividades de um modo avulso para “ocupar”, “entreter” os seus públicos.

Citando de cor, creio que Ander-Egg, escreveu que as actividades são, para o Animador Sociocultural, os degraus de uma escada que nos permitem subir até alcançar os nossos objectivos, os nossos propósitos de acção. Naturalmente, esta visão implica que a actuação do Animador Sociocultural ocorre no âmbito de um projecto de intervenção devidamente estruturado. E a metodologia do projecto pressupõe que se comece, não por definir as actividades a realizar, mas por conhecer e analisar a realidade em que se vai intervir de modo a detectar necessidades de intervenção traduzíveis em objectivos a atingir com a nossa actuação. Só depois disso estaremos, eventualmente, em condições de escolher as actividades susceptíveis de nos permitirem alcançar os resultados que prosseguimos.

Ou seja, e em conclusão, começaria por responder às questões colocadas no início deste artigo da seguinte forma: primeiro, antes de actividades, o que é realmente necessário é procurar identificar e definir os objectivos que se pretendem atingir, face à realidade concreta em que se vai actuar e ao publico que se pretende envolver.


(continua, dentro de dias!...)

13 outubro 2008

TakingITGlobal

A TakingITGlobal (TIG), é uma organização internacional - coordenada por jovens e possibilitada pelas modernas tecnologias de informação. A TIG permite a interacção entre jovens para encontrar inspiração e informação, e para envolverem-se e agir para melhorar suas comunidades, seja ao nível local ou global.

Com sede em Toronto, Canadá, com uma presença mundial crescente, o sítio na Internet TakingITGlobal.org, constitui-se como uma das comunidades virtuais mais populares entre os jovens interessados em conhecer outras culturas e fazer a diferença, com centenas de milhares de visitantes todos os meses. Este sítio na Internet contêm ampla informação sobre temáticas com interesse para os jovens e, principalmente, recursos variados que podem facilitar o envolvimento dos jovens em projectos de mudança social a nível local e global.

A TIG, com parcerias com agências das Nações Unidas e organizações juvenis internacionais é um exemplo impar de como as tecnologias de informação e comunicação se podem constituir como um instrumento capaz de facilitar a participação social entre os jovens. Porque a Internet é muito mais do que Hi5 e Messenger!

10 outubro 2008

A formação de Animadores Socioculturais em Portugal

No essencial, subscrevo a reflexão do Professor Avelino Bento no artigo "Que relação existe entre a formação superior de animadores sócio-culturais e as suas saídas profissionais?" publicado no blogue Ex-Dra Animação, cuja leitura atenta não posso deixar de recomendar.

Partilho da opinião, por mim já expressa noutros artigos e locais, de que não é razoável coexistirem denominações idênticas (Animadores sócio-culturais) para diferentes níveis de formação: técnicos profissionais e técnicos superiores.

Mas mais do que uma questão de nomenclaturas, importa, também, referir que considero o perfil profissional definido para os alunos que concluem os cursos técnico-profissionais de animação sócio-cultural demasiado abrangente, complexo e teórico, remetendo para competências que, em rigor, dificilmente poderão ser atingidas ao longo dos percursos formativos definidos. Arrisco, mesmo, afirmar que se tais competências fossem efectivamente atingidas talvez tivéssemos de equacionar a manutenção da formação, a nível superior, de animadores sócio-culturais, na medida em que poucas competências adicionais poderiam ser adquiridas em tais cursos. Para aqueles que se interessam por estas temáticas vale mesmo a pena uma leitura atenta do documentos que pode ser descarregado neste endereço, e da qual extraí o que se reproduz, a seguir:

Descrição Geral
O/A Animador/a Sociocultural é o/a profissional qualificado/a apto/a a promover o desenvolvimento sociocultural de grupos e comunidades, organizando, coordenando e/ou desenvolvendo actividades de animação de carácter cultural, educativo, social, lúdico e recreativo.

Actividades Principais

  • Diagnosticar e analisar, em equipas técnicas multidisciplinares, situações de risco e áreas de intervenção sob as quais actuar, relativas ao grupo alvo e ao seu meio envolvente.
  • Planear e implementar, em conjunto com a equipa técnica multidisciplinar, projectos de intervenção sócio-comunitária.
  • Planear, organizar e avaliar actividades de carácter educativo, cultural, desportivo, social, lúdico, turístico e recreativo, em contexto institucional, na comunidade ou ao domicílio, tendo em conta o serviço em que está integrado e as necessidades do grupo e dos indivíduos, com vista a melhorar a sua qualidade de vida e a qualidade da sua inserção e interacção social.
  • Desenvolver actividades diversas, nomeadamente ateliers, visitas a museus e exposições, encontros desportivos, culturais e recreativos, encontros intergeracionais, actividades de
    expressão corporal, leitura de contos e poemas, trabalhos manuais, com posterior exposição dos trabalhos realizados, culinária, passeios ao ar livre.
  • Promover a integração grupal e social e envolver as famílias nas actividades desenvolvidas, fomentando a sua participação.
  • Fomentar a interacção entre os vários actores sociais da comunidade articulando a sua intervenção com os actores institucionais nos quais o grupo alvo/indivíduo se insere.
  • Acompanhar as alterações que se verifiquem na situação dos clientes/utilizadores e que afectem o seu bem-estar.
  • Elaborar relatórios de actividades.
Poderá uma formação ao nível do ensino secundário preparar devidamente para o exercício das funções e actividades defenidas neste perfil de saída? E se tal for possível que outras funções e actividades poderão ser desempenhadas por animadores socioculturais com formação ao nível do ensino superior? Tenha-se presente que os autores deste perfil não se coibiram de utilizar os verbos "diagnosticar", "analisar", "planear" e otros que remetem para funções que, inevitavelmente, exigem uma formação teórica sólida.
Não tenho, porém, a mesma impressão do professor Avelino Bento em relação à empregabilidade dos licenciados em Animação Sócio-cultural. Julgo que a mesma tem sido amplamente "disfarçada" com os estágios profissionais, após os quais os recém-licenciados enfrentam sérias dificuldades na obtenção de um emprego devidamente qualificado e remunerado, e não-precário, face às suas habilitações académicas e profissionais. Esta situação poderá, mesmo, agravar-se num futuro próximo pelo efeito conjugado de uma crise cada vez mais presente com o aparecimento de uma tendência crescente de preferência de técnicos polivalentes, naturalmente menos especializados, que possam assegurar o desempenho de múltiplas tarefas e funções. Recordo, como já várias vezes afirmei, que é esta a fundamentação teórica da reestruturação das carreiras da função pública que estará consumada no início do próximo ano.

Ainda que, e não posso deixar de o referir, e desse modo, subscrever também as afirmações que o Professor Avelino Bento faz, no final do artigo citado, de que a formação e a prática dos Animadores Sócio-culturais sempre se caracterizou pela polivalência, facto que poderá ser, deste modo, um trunfo nos tempos que se aproximam.
PS: Não sei o que dizer de não vislumbrar nos recursos pedagógicos sugeridos nos referidos referenciais de formação, nenhuma das poucas obras sobre Animação Sociocultural de autores portugueses disponíveis no nosso mercado (Marcelino Lopes ou luis Jacob, por exemplo).

09 outubro 2008

Animação Sociocultural com Públicos “Especiais” (1)

Olá, eu sou a Rita. Sou estudante em Coimbra e estou a tirar um curso tecnológico de acção social e estou a especializar me em animação sociocultural. Eu vou fazer estagio com crianças deficientes, e não tenho nenhuma ideia para a minha prova de aptidão tecnológica. Será que me podiam ajudar?

Boas, sou animador a 5 anos mas este ano comecei a trabalhar numa escola de ensino especial, onde a minha maior dificuldade tem sido arranjar uma série de actividades e jogos ( fazer o planeamento de actividades para todo o ano) para crianças com estas dificuldades ( T21,elipesia,dislexia,etc..)
Será que alguém em pode ajudar.. ;)

Bom dia a todos os colegas!
Sou a Ilda, sou animadora social e trabalho com um grupo de idosos na grande maioria dependentes. gostaria se possível e se tiverem conhecimento que me enviassem algumas actividades para este publico alvo, dado que com o tempo começo a não saber o que fazer. agradeço tudo o que me poderem disponibilizar.

Estes três pedidos foram colocados, recentemente, no fórum do Portal Anigrupos por três , suponho que jovens, animadores. Pedidos de ajuda, ainda não satisfeitos! Pedidos que me parecem constituir um estímulo para reflectirmos sobre uma questão essencial na actividade quotidiana de muitos animadores socioculturais: que objectivos e prática podemos, ou devemos, prosseguir quando trabalhamos com públicos “especiais”?

Pela parte que me toca vou meditar no assunto e, nos próximos dias, dar-vos-ei conta de algumas das minhas ideias sobre este tópico aqui neste espaço.

03 outubro 2008

II Encontro Regional de Animação Sociocultural - Madeira

O II Encontro Regional de Animação Sociocultural (ERASC) organizado pela Delegação Regional da Madeira da APDASC - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sócio-Cultural, terá lugar no dia 7 de Novembro de 2008, no Museu de Electricidade - Casa da Luz, no Funchal.

Para consulta do programa actualizado, inscrições e outras informações, aceda em http://erascmadeira.googlepages.com/

01 outubro 2008

Nova versão do Portal Anigrupos colocada online

Acabámos de colocar on-line uma nova versão do Portal Anigrupos.
Esta nova versão mantêm, no essencial os conteúdos das anteriores versões. Utiliza, contudo, uma nova plataforma de gestão de conteúdos que esperamos vir a revelar-se mais fácil e rápida de de utilizar e que tencionamos aperfeiçoar nos próximos meses.
O nosso objectivo mantêm-se inalterado desde que em Junho de 2007 colocámos na rede a primeira versão do Portal: partilhar recursos que se possam revelar úteis para quem desenvolve, ou pretende desenvolver, actuações com grupos nos mais variados contextos.
O endereço, que se mantêm, é www.anigrupos.org.

26 setembro 2008

Curso para Animadores de Campos de Férias

A APCC - Associação para a Promoção Cultural da Criança vai promover, em Faro, um Curso para Animadores de Campos de Férias.

Este curso decorrerá, aos Sábados e Domingos, entre 25 de Outubro e 16 de Novembro e pretende proporcionar a aquisição de competências básicas para o desempenho de funções na área da animação de campos de férias. Esta acção de formação tem uma carga horária de 56 horas e compreende módulos sobre Organização e Animação de Campos de Férias, Psicopedagogia de Grupos, Prevenção de Acidentes, Actividades Lúdicas e Desportivas, Expressão Dramática, Expressão Plástica e Actividades de Exploração do Meio e de Educação Ambiental.
Os interessados em informações complementares devem contactar a entidade promotora através do e-mail apcc.sede@netcabo.pt ou através do telefone 218 429 730.

17 setembro 2008

Animadores Socioculturais: Técnico profissionais ou Licenciados?

Nos últimos dias ecoaram as notícias relativas à revisão global da Convenção Colectiva de Trabalho (CCT) entre a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade e a Federação Nacional dos Sindicatos da Educação e outros, publicada no Boletim de Trabalho e Emprego, n.º 32, de 29 de Agosto de 2008, que reconhece a figura profissional - Animador Cultural - com o grau académico de licenciatura.

Sobre este assunto o colega Albino Viveiros produziu vários comentários pertinentes no seu blogue "Animação Sociocultural e Insularidade". Entre outros aspectos, Albino Viveiros chama a atenção para a previsível dificuldade que as IPSS (Instituições Privadas de Solidariedade Social) poderão ter em reposicionar os licenciados em Animação Sociocultural que até aqui estavam em termos salariais posicionados como técnicos profissionais. São amplamente conhecidas as dificuldades económicas com que estas instituições se debatem no presente. Por outro lado, Albino Viveiros destaca, também, alguma indefinição na legislação agora em vigor no que concerne à distinção das funções dos animadores técnico-profissionais e dos animadores licenciados.

Perante estas reflexões, que subscrevo integralmente, parece-me evidente que é de esperar que a aplicação desta convenção não traga grandes vantagens para os licenciados em Animação Sociocultural: os que já estão integrados em IPSS's poderão não vir a ser reposicionados por dificuldades orçamentais e os que procuram emprego poderão vir a ser sistematicamente preteridos face aos colegas com habilitação técnico-profissional.

Confesso que desde há algum tempo me interrogo sobre a natureza singular dos percursos formativos dos Animadores Socioculturais em Portugal. Com efeito, existem formações com idênticas designações (Animação Sociocultural) ao nível técnico-profissional (12º ano) e ao nível superior. Parece-me que tal não acontece com mais nenhuma profissão! Para perceberem a relevância da questão, imaginem, por exemplo, que existiam formações de nível técnico profissional com as designações "Educadores de Infância", "Assistente Social"...

15 setembro 2008

Colocações nos cursos superiores de animação - 1ª fase - 2008/2009

Os resultados das colocações no ensino superior, no ano lectivo de 2008/2009, mostram que foram preenchidas, na 1º fase de candidaturas, 45,6% das 493 vagas disponibilizadas nos 15 cursos existentes no país.

A análise da lista de colocações permite aferir que em apenas 3 cursos todas as vagas foram preenchidas: Animação Socioeducativa (ESE de Coimbra), Animação Sociocultural (ESE de Lisboa) e Animação e Intervenção Sociocultural (ESE de Setubal). No extremo oposto, há 7 cursos em que foram preenchidas menos de um terço das vagas iniciais, salientando-se os cursos de Animação Cultural e Educação Comunitária em regime pós-laboral (0% das vagas preenchidas), Animação Cultural da ESE de Castelo Branco (12% das vagas preenchidas) e Animação Sociocultural da ESE da Guarda (13% das vagas preenchidas).
A média das notas do últimos colocados em cursos de animação sociocultural é de 11,31 valores.
Globalmente, e comparando com o ano passado, registamos uma diminuição do número de candidatos colocados (225 em 2008 e 277 em 2007), das vagas preenchidas (45,6% em 2008 e 63,5% em 2007) e da média das notas dos últimos colocados (11,31 em 2008 e 11,89 em 2007).
No total, foram agora colocados em cursos superiores de animação sociocultural 225 estudantes. Para a próxima fase de candidaturas ao ensino superior estão disponíveis 268 vagas.

29 agosto 2008

2.ª Edição da Revista "Animação e Educação"

A ANAE - Associação Nacional de Animação e Educação lançou a segunda edição da Revista "Animação e Educação" relativa aos meses de Agosto, Setembro e Outubro de 2008.
Esta publicação assume-se como uma revista de carácter científico que nasce da intenção de divulgar eventos, oportunidades de trabalho e estudo para profissionais ligados à educação e animação.
Pretende, também, ser um, espaço de partilha de entrevistas e artigos que possam enriquecer e contribuir para a melhoria de práticas educativas e pedagógicas.
A revista pretende conferir maior visibilidade à produção científica de professores, educadores, animadores e investigadores das ciências sociais e humanas através de uma primeira linha de publicação e difusão que permita um diálogo constante no seio da comunidade científica.
A edição actual está disponível neste endereço.

18 julho 2008

CURSOS SUPERIORES DE ANIMAÇÃO 2008

Para o presente ano lectivo os estabelecimentos de ensino superior públicos disponibilizam 470 vagas na área da Animação Sociocultural, o que representa um acréscimo de 7,8% face às 436 vagas existentes no ano passado.

Os cursos superiores na área da Animação Sociocultural continuam a incluir 5 designações diferentes: Animação Cultural (Castelo Branco, Leiria e Viseu), Animação Cultural e Educação Comunitária (Santarém), Animação e Integração Sociocultural (Setúbal), Animação Sociocultural (Chaves, Beja, Guarda, Lisboa e Portalegre) e Animação Socioeducativa (Coimbra).

Destacamos a abertura de dois cursos em regime pós-laboral: Animação Cultural e Educação Comunitária, em Santarém, e Animação Sociocultural, em Lisboa. O curso com mais vagas disponíveis é o de Animação Sociocultural ministrado na Escola Superior de Educação da Guarda, com 60 vagas.

03 julho 2008

CURSO DE FORMAÇÃO PARA ANIMADORES DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES

A APCC - Associação para a Promoção Cultural da Criança vai promover, em Lisboa, nos próximos dias 5, 6, 12 e 13 de Julho de 2008, um Curso de Formação para Animadores de Actividades de Tempos Livres.

Este curso, com a duração de 30 horas, visa proporcionar aos formandos a aquisição das competências básicas e indispensáveis ao desempenho de funções de animação em actividades de tempos livres organizadas para crianças e jovens.

Temáticas:

  • Enquadramento conceptual, histórico, funcional e organizativo das Actividades de Tempos Livres para crianças e jovens
  • Funções e competências do animador de Actividades de Tempos Livres
  • Animação de grupos de crianças e jovens em Actividades de Tempos Livres
  • Organização, planeamento, preparação, dinamização e avaliação de Actividades de Tempos Livres

Metodologia:
Curso apoiado em metodologias activas com recurso sistemático a exercícios práticos, jogos, simulações, estudo de casos e trabalhos de reflexão e discussão em grupo. Incluí a prática de jogos e exercícios de integração (apresentação e reforço do conhecimento inter-individual), de jogos educativos, de actividades de expressão e de criatividade, etc.

A taxa de inscrição neste curso é de 105€. Para mais informações e esclarecimentos contactar a APCC pelo telefone no 218 429 730.

19 junho 2008

Uma ausência e um aniversário

Afazeres profissionais e extra profiisonais, aliados a questões de natureza mais pessoal têm-me impedido de manter minimamente em dia este espaço. Tem estado assim meio abandonado. Se fosse um relvado já teria provavelmente secado e se fosse uma casa estaria, por certo,repleto de teias de aranha.
Tenho, no entanto, alguma esperança de que a partir da próxima semana consiga passar por aqui e deixar-vos algumas notícias e reflexões. A ver vamos!...
Entretanto, e por estes dias, o meu outro projecto na internet, «Anigrupos», uma página de recursos para animadores de grupos, completou o primeiro ano de existência. Com efeito, aquele espaço foi colocado on-line a 5 de Junho de 2007. Num ano de exisência, «Anigrupos» registou, em números redondos, 14.000 visitas de 10.000 visitantes. Ao todo, destas visitas resultaram mais de 106.000 páginas visualizadas. São números que nos dão vontade de persistir naquele projecto. Assim o meu tempo o permita. Por outro lado a evolução futura daquele espaço depende, também e em parte substancial, da colaboração e da participação dos próprios visitantes, que vão ser "convocados", dentro de dias, para colaborarem no desenvolvimento e na dinamização do portal. Portal que vai sofrer alguns ajustes e, esperamos, algumas actualizações nas próximas semanas.

23 maio 2008

Actividades da RIA - Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural


A RIA - Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural tem vindo a desenvolver, e propõe-se prosseguir um esforço significativo no sentido de promover a Animação Sociocultural no espaço iberoamericano. Assinalamos, entre outras, as seguintes iniciativas:

Edição do n.º 2 da Revista Iberoamericana "Animador Sociocultural"
Esta publicação foi editada em suporte papel. Uma oportunidade única para conhecer várias perspectivas e experiências em torno das questões directamente ligadas à animação sociocultural de todos os países iberoamericanos. Pode ser adqurida por 8,50€ (portes de correio incluídos) na APDASC - Associação Portuguesa para a Divulgação da Animação Sociocultural.

Colóquio Virtual "Participação, Cidadania e Interculturalismo"
Mais uma iniciativa que pretende aproveitar as potencialidades oferecidas pelas tecnologias de informação e que decorrerá de 10 a 30 de Junho de 2008. Este colóquio visa a reflexão interdisciplinar e intersectorial sobre uma problemática complexa vivida pela sociedade contemporânea num espaço globalizado. É a partir da reflexão plural que prespectivaremos um intercâmbio de práticas e iniciativas válidas para o desenho de políticas que promovam o exercício de uma cidadania planetária. Os interessados em participar devem contactar o moderador do Colóquio, Miguel Blasco da Ria, através do mail miguelblasco@rianimacion.org.

II Congresso Iberoamericano de Animação Sociocultural
Por último, assinalamos que a RIA vai realizar o II Congresso Iberoamericano de Animação Sociocultural, em Béjar e Plasencia (Espanha), nos dias 16, 17 e 18 de Outubro de 2008. O Congresso tem por tema "Os Agentes da Animação Sociocultural". Mais informações sobre esta iniciativa estão disponíveis na página desta organização.

14 maio 2008

Pensar | Actuar - Participação e Cidadania Activa

A APCC - Associação para a Promoção Cultural da Criança promove nos próximos dias 16, 17 e 18 de Maio, em Alvito (Alentejo) uma acção de formação para animadores sobre Participação e Cidadania Activa.

Esta acção de formação, ainda integrada na campanha "Todos Diferentes, Todos Iguais" parte do pressuposto que as actividades de tempos livres, e em especial os campos de férias são, essencialmente, espaços de educação não-formal na medida em que podem, e devem, proporcionar às crianças e aos jovens vivências, experiências e práticas susceptíveis de contribuir para a sua formação nos mais variados domínios.

Em concreto esta acção de formação pretende proporcionar a aquisição de competências que promovam, no contexto dos campo de férias e de outras actividades de animação de tempos livres, de actuações que promovam a educação para a participação, elemento chave da cidadania activa e da inclusão social.

Este curso é, assim, uma oportunidade de reflectir sobre formas de integrar estas temáticas na animação de um modo prático, útil e divertido, como é proprio da educação não formal. E pretende-se, também, que seja um espaço de convívio e de partilha de saberes e soluções entre animadores.

A taxa de inscrição é de 25€, valor que inclui o alojamento e a alimentação. Para obteres informações complementares e/ ou para te inscreveres (ainda há algumas vagas) podes enviar um e-mail para este endereço ou telefonar para o 21 842 97 30.

13 maio 2008

Presidente Cavaco Silva em encontro "Os Jovens e a Política"

O Presidente da República reuniu-se, no Palácio de Belém, com cerca de 30 dirigentes de Associações de Juventude para debater o tema da participação cívica e política dos jovens e as razões que os motivam ou afastam de um maior envolvimento.

No encontro, sob o tema "Os Jovens e a Política", participaram os líderes das organizações partidárias, académicas, de voluntariado, sindicais e empresariais e do associativismo juvenil, todos representados no Conselho Nacional da Juventude.

Após a abertura da reunião, foi apresentado pelo Prof. Pedro Magalhães, da Universidade Católica, o estudo "Os Jovens e a Política", realizado pelo respectivo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião.

Os participantes no encontro reuniram-se em grupos de trabalho que abordaram as temáticas dos jovens e as políticas local, nacional, e europeia e internacional, após o que, novamente em plenário, submeteram os textos que redigiram a uma discussão colectiva.

Após a leitura dos resultados dos grupos de trabalho, o Presidente Aníbal Cavaco Silva fez uma intervenção com a qual encerrou o encontro.

Faça aqui o download dos Resultados dos Grupos de Trabalho (PDF com 445KB)

02 maio 2008

Os jovens e a política

Na 33ª sessão comemorativa do 25 de Abril de 1974, o Presidente da República Portuguesa, Professor Aníbal Cavaco Silva, manifestou no seu discurso a preocupação com os relativamente escassos níveis de participação política dos jovens portugueses e o seu eventual alheamento das instituições públicas. Apesar de manifestar confiança nas capacidades empreendedoras e de liderança artística e cultural dos mais jovens, não deixou de assinalar a incapacidade das actuais lideranças políticas para mobilizar os jovens para um “envolvimento mais activo e participante na vida política”.

Naquela ocasião o Presidente da República citou um estudo encomendado à Universidade Católica sobre o alheamento dos jovens face à política, que vai posteriormente fazer distribuir pelos partidos políticos com assento no Parlamento, que pode ser consultado aqui.
Este estudo, apresentado ao Presidente em Janeiro, conclui, em primeiro lugar, que «é notória a insatisfação dos Portugueses com o funcionamento da democracia» que se mostram favoráveis a reformas profundas na sociedade portuguesa.
Revela que os mais jovens, entre os 15 e os 17 anos, e os jovens adultos, entre os 18 e os 29 anos, ou seja, os que nasceram após o 25 de Abril, são a camada etária que se mostra mais favorável à introdução de reformas incrementais e limitadas no sistema.
Adianta que os jovens estão menos expostos à informação política pelos meios convencionais de comunicação do que os restantes segmentos da população e mostram também mais baixos níveis de conhecimentos políticos.
De acordo com o estudo, exceptuando o exercício do direito de voto, a população portuguesa tende a ser céptica em relação à eficácia da participação política tradicional, isto é, aquela que é feita através dos partidos.
No que respeita a um conjunto genérico de medidas destinadas a melhorar a qualidade do sistema democrático, os portugueses são favoráveis à presença das mulheres na vida política, à criação de novos mecanismos de participação e à maior personalização do sistema eleitoral, refere o estudo.
Entretanto, e já após, o discurso proferido no dia 25 de Abril, o Presidente da República anunciou que vai reunir com líderes de organizações juvenis portuguesas em meados de Maio com dois objectivos. Por um lado, Cavaco Silva quer saber a opinião de líderes de organizações de juventude sobre a «realidade do afastamento dos jovens em relação à vida politica» e, por outro, sobre «aquilo que pode ser feito para inverter a situação».

30 abril 2008

REVISTA "PRÁTICAS DE ANIMAÇÃO" 2008

A revista "Práticas de Animação" é uma publicação on-line de periodicidade anual editada pela Delegação Regional da Madeira da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sócio-Cultural, que reúne artigos de opinião, estudos, divulgação de projectos e outras rubricas que consideramos de interesse e que se enquadram no espírito da publicação, respeitando sempre os objectivos definidos.
O próximo número da revista será editado em Novembro de 2008, pois, o espaço temporal é suficiente para que nos animemos a participar neste projecto que entendemos ser dos Animadores e para os Animadores. «Estamos certos de que é possível fazer mais e melhor com a participação de muitos outros, e é neste "balão" de esperança que a todos convidamos a contribuirem para um projecto que não é apenas da Delegação Regional da Madeira da APDASC, é de todos aqueles que acreditam na Animação.»
Os interessados em colaborar podem consultar as normas de colaboração no sítio da revista ou em alternativa contactar-nos através do e-mail revistapraticasdeanimacao@gmail.com

17 abril 2008

Novo blogue: Rumo à Animação

Aqui se assinala um novo blogue da autoria da animadora Susana Pereira, denominado "Rumo à Animação".
Sobre este novo espaço escreveu a autora:
«Aposto que alguns de vocês estão a pensar "oh não! Mais um blog".
Pois é, tentei fugir, correr, esconder-me e nada, não adiantou. o blog veio ter comigo e lá tive de me render hehehe.
Na verdade criei este blog para tornar a minha vida mais fácil.
Como alguns de vocês sabem, eu divulgo sempre que possivel e-mails que possam interessar-vos. o que acontecia é que dias depois alguns voltavam a perguntar sobre um e-mail que eu tinha enviado (e muitas das vezes já não me lembrava) enfim... Um dia lembrei-me das maravilhas da tecnologia e lembrei de colocar num blog (neste) toda a informação que eu for recebendo sobre temas de: Animação Cultural (e todas as outras vertentes de Animação), formações, educação, desporto, cultura (pintura, exposições, literatura, concertos, enfim, o que se lembrarem de enviar) e tudo o mais que possa ser interessante para todos nós.
»
Da nossa parte fica o registo com votos de uma longa e dinâmica presença na blogosfera em prol da Animação Sociocultural.

14 abril 2008

CENSO NACIONAL DE ANIMADORES/AS COM FORMAÇÃO SUPERIOR

A APDASC (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sócio-Cultural) está a realizar um Censo Nacional de Animadores com Formação Superior.
Este trabalho destina-se, exclusivamente, ao estudo da empregabilidade das pessoas que já terminaram o bacharelato ou a licenciatura num dos seguintes cursos: animação sociocultural; animação e intervenção sociocultural; animação cultural e educação comunitária; animação socioeducativa; animação cultural; animação educativa e sociocultural.
Os interessados em participar neste censo podem fazê-lo, online, neste endereço!
Os dados recolhidos serão tratados com confidencialidade e destinam-se apenas ao tratamento estatístico. Qualquer dúvida pode ser remetida para geral@apdasc.com.

10 abril 2008

Portal da Juventude Renovado


O Portal da Juventude, da responsabilidade do IPJ - Instituto Português da Juventude, foi recentemente objecto de uma ampla renovação.
O aspecto visual parece-nos mais cuidado e, muito mais importante do que a melhor imagem, os conteúdos são, agora, mais facilmente acessiveis. Conteúdos que se espera que sejam cada vez mais adequados aos interesses e necessidades dos jovens e daqueles que trabalham com eles.
Recomendamos a visita!

09 abril 2008

Carrinhos de Rolamentos em Boliqueime





Passei a tarde do passado sábado, dia 6 de Abril em Boliqueime onde assisti à 2ª Corrida de Carrinhos de Rolamentos. Tratou.se de uma iniciativa de uma associação juvenil, a Associação Cultural de Boliqueime que define como propósito central desta iniciativa "restaurar uma actividade lúdica tradicional que obriga à criatividade, iniciativa e um espírito de competição salutar”. Objectivo que, e de acordo com aquilo a que assisti, foi inteiramente alcançado.




Uma iniciativa que comprova o importante papel que o associativismo juvenil pode desempenhar nas comunidades e na preservação e revitalização de tradições.

08 abril 2008

Curso para Animadores de Campos de Férias em Faro


A APCC - Associação para a Promoção Cultural da Criança vai realizar, em Faro, entre 3 de Maio e 21 de Junho uma acção de formação para Animadores de Campos de Férias.
Esta acção de formação contempla os seguintes módulos de formação: Organização e Funcionamento de um Campos de Férias; Psicopedagogia; Actividades Lúdicas e Desportivas; Actividades de Exploração do Meio e de Educação Ambiental; Expressão Dramática; Expressão Plástica; Prevenção de Acidentes; e Animação de Campos de Férias. O curso realizar-se-á aos Sábados nas instalações da Direcção Regional do Algarve do IPJ - Instituto Português da Juventude.
Para informação complementares os interessados podem contactar a Loja Ponto Já da Direcção Regional do Algarve do IPJ, em Faro, pelo telefone 289 89 18 20 ou a APCC através deste endereço electrónico.

04 abril 2008

DELEGAÇÃO DO SUL DA APDASC: Notícias

Recebemos da Delegação do Sul da APDASC - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sociocultural um pedido de divulgação das informações que, a seguir, se transcrevem.

Sugestões para actividades/workshops de Animação Sociocultural
A Delegação Sul da APDASC, solicita a todos os animadores (sócios e não-sócios da APDASC e, particularmente aos Animadores das regiões de Beja, Évora e Faro), o envio de sugestões, para o e-mail da Delegação – del.sul@apdasc.com – acerca de actividades/ workshops/ cursos de curta duração ou outros, em que gostariam de participar, de forma a adquirirem/aprofundarem conhecimentos. A Delegação Sul agradece a colaboração de todos!

Bolsa de Formadores de Animação Sociocultural
No intuito de se criar uma Bolsa de Formadores de Animação Socicocultural, a Delegação Sul da APDASC, solicita a todos os animadores que se encontram em situação de Desemprego, (especialmente aos das regiões de Beja, Évora e Faro), o envio de informações acerca de: dados pessoais, comprovativo de CAP, área de interesse de formação, zona geográfica preferencial para formação, e outras demais informações que acharem pertinente, para o e-mail da delegação: del.sul@apdasc.com.

02 abril 2008

A Animação Sociocultual e os Grupos Sociais

A Região Autónoma da Madeira acolherá no dia 07 de Novembro de 2008, o II Encontro Regional de Animação Sociocultural, cujo tema é “ A Animação Sociocultural e os Grupos Sociais”.

Este encontro é organizado pela Delegação Regional da APDASC (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Animação Sociocultural) e visa contribuir para a reflexão e o desenvolvimento da Animação Sociocultural, sensibilizando para a necessidade da criação e dignificação do Estatuto do Animador, a par da divulgação de projectos de Animação que já se tenham desenvolvido ou se pretenda desenvolver na Madeira.
É de salientar que este encontro contará com a presença de duas ilustres personalidades do mundo académico ligados à Animação Sóciocultural. Assim, a conferência inaugural será presidida pelo Professor Doutor Víctor Ventosa Perez – Presidente Junta Directiva da Rede Ibero-americana de Animação Sociocultural (RIA). Na conferência de encerramento será orador, o Professor Doutor Avelino Bento – Docente na Escola Superior de Educação de Portalegre e ilustre investigador no domínio da Animação Sociocultural e da Expressão Dramática.
Mais informações sobre esta iniciativa estão disponíveis aqui.

19 março 2008

Animação com idosos

Há uns meses, no decorrer de uma acção de formação na área da animação com idosos, um formando queixava-se da falta de condições para trabalhar no lar de 3ª idade onde exerce funções de animador. Em concreto, relatava a falta de funcionários da sua instituição e a consequente necessidade de exercer funções aparentemente nada relacionadas com as suas funções de animador. Confeccionar e servir os pequenos almoços aos idosos, acompanhá-los nas idas à casa de banho, etc. O resultado, na opinião deste jovem animador, era a falta de tempo, de condições, para exercer devidamente as suas funções de animador.

No decorrer da edição deste ano do colóquio "Caminhos da Animação", organizado pela Escola Superior de Educação de Beja, assisti à apresentação de uma comunicação por uma animadora sociocultural, Dra. Claúdia Galaio, que também exerce funções de animadora sociocultural num lar de idosos. Na sua comunicação esta animadora relatou que acompanha os idosos nas suas rotinas na instituição (refeições, higiene, etc.) e que ao fazê-lo está a"construir" com eles uma relação que facilita o seu posterior trabalho como animadora, na medida que essa proximidade com os idosos lhe permite obter a informação necessária para adequar a sua actuação enquanto animadora.
No essencial estes dois animadores exercem funções idênticas, aparentemente diversas das que seria espectável que um animador de idosos desenvolvesse. Mas encaram essas funções de um modo diferente. E recordam-nos um princípio fundamental em animação: mais importante do que aquilo que se faz são os objectivos que se pretendem atingir e o modo como se actua.

14 março 2008

Empregos?!

O blogue "Jumento" ilustra de modo particularmente acutilante o que se passa no mercado de emprego, no nosso país, através exemplos de duas ofertas de emprego consultadas no portal do IEFP.
Oferta de emprego para operador de supermercado:



Oferta de emprego para arquitecto:


Dá que pensar não dá?! Se isto ocorre com profissões reconhecidas (Arquitectura) o que não acontecerá com profissões pouco reconhecidas como é o caso da Animação Sociocultural?

12 março 2008

Mestres da Fotografia

"Refugees in the Korem camp" (Ethiopia, 1984) - Fotografia de Sebastião Salgado
"Masters of Photography" é um site onde se reúnem imagens de alguns dos mais representativos fotografos do século XX.
Um endereço indispensável para quem gosta de fotografia e um recurso importante para animadores que pretendam fazer colecções de imagens para utilização em actividades de animação de grupos.

10 março 2008

Empregabilidade das Licenciaturas em Animação Sociocultural

O colega Albino Viveros fez, em devido tempo, referência ao estudo do Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) denominado "A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior".

Este estudo pretende traçar um retrato da empregabilidade dos diplomados com habilitações superior a partir da análise dos inscritos nos centros de Emprego em Dezembro de 2007.

Com base nos dados daquele estudo elaborei dois quadros referentes aos diplomados com o grau de licenciatura na área da Animação Sociocultural que, para que possamos reflectir, disponibilizo para consulta neste endereço.



Que nos dizem tais quadros:
  • Que em 31/12/2007 havia 132 indivíduos habilitados com uma licenciatura em Animação Sociocultural inscritos nos Centros de Emprego. Destes 58 estavam à procura de 1º emprego e 74 procuravam novo emprego.

  • Os inscritos reportam-se a 9 licenciaturas na área da Animação Sociocultural, que entre 1996 e 2006 diplomaram um total de 757 indivíduos. Nos últimos 3 anos os mesmos cursos atribuíram o grau de licenciados a 472 indivíduos.

  • A taxa de empregabilidade dos cursos referenciados no estudo é de 82,6%, se tivermos em conta os licenciados desde 1996. Esta taxa desce para os 75% se tivermos apenas em conta os diplomados nos últimos 3 anos.

Importa olhar para os números agora divulgados com alguns cuidado.

Em primeiro lugar a relação entre desemprego e inscrições em centros de emprego não é linear, como o comprova a sistemática divergência entre os dados sobre desemprego divulgados pelo INE e os dados sobre inscritos em Centros de de Emprego divulgados pelo IEFP.

Depois os dados referem-se apenas a quem está á procura de emprego nada nos revelando sobre a natureza da ocupação ou emprego daqueles que não estão inscritos (empregos em outras áreas, estágios profissionais, prosseguimento de estudos, etc.).

Finalmente é preciso ter presente que os dados agora revelados se referem a cursos iniciados antes de 2003, e que após essa data surgiram uma série de novas licenciaturas na área da Animação Sociocultural que começarão a diplomar novos Animadores nos próximos anos.

07 março 2008

Ecos do V Colóquio "Caminhos da Animação"

Terminou no passado dia 5 de Março a edição deste ano do Colóquio "Caminhos da Animação", iniciativa uma vez mais levada acabo pelos alunos finalistas do Curso de Animação Sociocultural da Escola Superior de Educação de Beja.
Estive presente no último dia de trabalhos. Foi um momento de reencontro com a"casa" onde estudei durante quatro anos e onde fui "uma espécie" de professor outros três anos. Reencontro com uma iniciativa que acompanhei de muito perto nas suas três primeiras edições.
Este ano assumi um novo papel, como "orador", tendo apresentado uma comunicação sobre "Animação e Empreendedorismo" no âmbito de um dos painéis do colóquio. Assisti, também, aos trabalhos do último dia do colóquio, tendo retido uma mais significativa presença nos painéis de animadores socioculturais, quase todos eles ex-alunos da ESE de Beja, que ali relataram as experiências e projectos que protagonizam, hoje, nas comunidades e instituições em que estão inseridos.
Importa salientar, que esta iniciativa, tal como outros encontros que se vão realizando ao longo do ano e em diferentes regiões do país, constitui um importante instrumento no caminho de consolidar a afirmação e o reconhecimento da Animação Sociocultural.

23 fevereiro 2008

V Colóquio "Caminhos da Animação"


O V Colóquio “Caminhos da Animação” é organizado pelos alunos finalistas do Curso de Animação Sociocultural da Escola Superior de Educação de Beja e a exemplo de anteriores edições, pretende constituir-se como um espaço de reflexão e de intercâmbio de experiências sobre diferentes âmbitos de intervenção da Animação Sociocultural.
Esta Iniciativa será, também e naturalmente, um meio de divulgar a Animação Sociocultural, enquanto instrumento de intervenção, junto de instituições que a ela podem recorrer para conseguir actuações nos mais variados domínios, como por exemplo a Educação, a Cultura, a Acção Social, o Desenvolvimento Local, Criação de Públicos e Gestão e Programação Cultural.
Nesta V Edição do Colóquio e II Edição das Jornadas é também intenção da organização assinalar a passagem de 10 Anos da abertura do curso na Escola Superior de Educação de Beja, promovendo assim o contacto entre ex e actuais alunos do curso, tal como abrir estas iniciativas à participação de todos, aliás como é apanágio de qualquer intervenção no âmbito da Animação Sociocultural.

08 fevereiro 2008

Parabéns! (Este blogue segue dentro de momentos...)

Afazeres pessoais, profissionais e, confesso envergonhadamente, alguma preguiça impediram-me de cuidar convenientemente deste bloguezinho nas últimas semanas. Fica a promessa de que voltaremos dentro de momentos...
Deste modo, falhei a oportunidade de assinalar o 3º aniversário do blogue "Anijovem". Com efeito, completámos, no passado dia 31 de Janeiro, três anitos de escrita neste espaço. Escrita nem sempre regular, à volta de um propósito geral de contribuir para promover e divulgar a Animação Sociocultural, em geral, e do trabalho desenvolvido no seu âmbito com jovens. Os leitores (não muitos, mas certamente bons!) ajuizarão melhor do que eu do alcance, ou não, de tais objectivos.
Aproveito para dar os parabéns a dois colegas da blogosfera pela passagem dos aniversários dos respectivos blogues. Ao colega Albino Viveiros pelo 1º aniversário do exelente "Animação Sociocultural e Insularidade". E ao professor Avelino Bento pelo 2º aniversário do, também exelente, "ExDra/Animação". Dois blogues de visita regular obrigatória para quem se interessa pela temática da Animação Sociocultural.

15 janeiro 2008

"PAIS XXI" - Um projecto de educação parental

No final da semana passada, no âmbito de um Seminário promovido pela Comissão de protecção de Crianças e Jovens de Portimão, tive a oportunidade de assistir à apresentação de uma comunicação do psicólogo Hugo Cruz sobre o projecto "Pais XXI".
Jogaram à macaca, à cordinha e à cabra cega. Brincaram com marionetas. Imaginaram-se velhinhos numa fingida viagem ao futuro. Encarnaram actores e actrizes. Pode parecer estranho, mas os participantes destas actividades já ultrapassaram todos os trinta anos. São pais. E os exemplos enumerados foram experiências que destacaram. Viveram-nas no âmbito do Pais XXI, um dos poucos projectos de educação parental do país.
O projecto "Pais XXI" parece-me deveras interessante a vários níveis: uma fundamentação conceptual e teórica sólida, um modelo de intervenção claramente definido e uma prática de envolvimento activo dos destinatários. Este projecto, desenvolvido por uma equipa de psicólogos, utilizou o jogo dramático e teatral para trabalhar objectivos socio-educativos com pais. Foi realizado no âmbito do Plano Municipal de Prevenção Primária das Toxicodependências de Santa Maria da Feira promovido pela Federação das Associações de Pais e Encarregados de Educação daquele concelho do norte do país. Mais informações sobre este projecto podem ser obtidas aqui. O projecto originou um livro: "Pais - Uma experiência", que pode ser encomendado nesta ligação.
Para os estudantes e profissionais da Animação Sociocultural este é um exemplo de uma boa prática de actuação, levada acabo por profissionais de outra área, sobre a qual importa reflectir e que talvez possa ajudar a entender melhor o que o Dr. Marcelino Lopes, professor de animação e animador sociocultural, escreveu aqui.